ArabicChinese (Traditional)EnglishFrenchPortugueseSpanish
ArabicChinese (Traditional)EnglishFrenchPortugueseSpanish
ArabicChinese (Traditional)EnglishFrenchPortugueseSpanish
Lua de Mel na Floresta com Python
Costa do Marfim

/

África

Há muito tempo, em uma vila em um país distante, vivia uma linda garota. Tão linda que todos falavam dela, mesmo nos cantos mais distantes da floresta, falavam dela. Mas essa jovem não queria se casar. Seus pais, toda a aldeia, todos tentaram em vão aconselhá-la sobre o assunto. A criança manteve-se firme em sua decisão. Mas uma noite, ela prometeu que cobriria a cabeça de sua mãe com uma cabaça se ela, um dia, encontrasse um homem que desejasse.

Quando a rainha morreu, o funeral foi anunciado. Estranhos vinham de longe: nobres, homens, mulheres, crianças, até os gênios do mato assistiram ao enterro da Rainha. Python se transformou em um homem bonito. Uma noite, ele atravessou o pátio da jovem enquanto ela batia fufu para o jantar. Assim que ela o viu, kpohoro…! Ela cobriu a cabeça da mãe com uma cabaça, para surpresa de todos os amigos. “Eu entendo”, disse a mãe.

Daí eles se casaram e ficaram juntos. Após o funeral, as pessoas voltaram para suas aldeias. O homem [Python] perguntou qual caminho tomar. Mas ele aconselhou sua amada a permanecer na aldeia, o que ela recusou.

“De jeito nenhum! Você pretende me abandonar aqui, sozinho. Não! Eu vou com você.”

Assim, eles partiram, chou, choo, choo…, em uma caminhada muito longa por montanhas, rios, savanas e florestas. Eventualmente, eles chegaram a um poço grande e profundo. O marido disse à esposa exausta: “Esta é a minha aldeia, vamos entrar e sentar aqui”. Lá eles viveram, e até tiveram filhos. Havia crianças cobras e crianças negras [humanas]. Todas as manhãs, o pai Python procurava presas no mato. Ele nunca voltou para casa de mãos vazias. Ele era um bom pai que cuidava bem deles. Muitas estações secas se passaram desde que a mulher deixou sua família.

Um dia, sua madrasta decidiu visitar sua enteada. Ela fez isso contra a vontade dos membros da família e do resto da aldeia. Ela viajou e, em uma noite chuvosa, encontrou seus parentes em um emaranhado de seres negros e cobras. Ela foi bem recebida e se comportou razoavelmente com eles. Ela lavou as crianças negras, assim como as crianças cobras. Ela cuidou bem de todos eles. Seis dias se passaram antes que ela perguntasse a Python e sua enteada sobre o caminho de volta para casa. Eles o indicaram. Mas Python recomendou que ela bebesse água barrenta, em vez de água clara do rio, ao longo do caminho. Isso ela fez para a saciedade.

After a long walk, she rejoined her conjugal home. Suffering from stomach pains, she started vomiting. I cannot put into words how much gold, gold to fill the entire house! She gave some to her step-daughter’s mother.

O kpô! My daughter gives you gold, and it’s only crumbs you give me! I’ll go see her myself and we shall see.”

On the evening of the tornado, she arrived at her daughter’s home. “My God, you live with snakes? Snake children? With human children? Woe to me for having given you life!”

During her four-day stay, she never touched the snake children. She only took care of the human children. When she asked for the way home, Python gave her the same recommendation as the step-mother.

Eh é é…! This python takes me for a beast. He is crazy. Me? Drink muddy water? Where?” When she came to the river, she chose the clear water and drank it in abundance. Once she returned to her house in the village, she was on the verge of vomiting. She went behind her hut, but alas, Python was there. He killed her, and brought her corpse to his pit.

“Você gostaria da presa de pele lisa ou coberta de pelos?” ele perguntou a sua esposa. Ela decodificou a mensagem e escolheu a presa de pele lisa. Ela pediu a Python para permitir que ela levasse o cadáver de sua mãe de volta para a vila, e Python aceitou. Ela saiu com uma criança cobra e uma criança negra.

Na margem do rio, ela deu de beber às crianças. “Bebam, filhos de um homem de verdade, não é culpa de sua mãe, nem de seu pai. A culpa é da sua avó.” Python ouviu sua angústia. “Vá para casa com a criança negra e chame-a de Anini**.” Quando você ouve Anini entre nosso povo Bona, esta é sua origem. É por causa da loucura da mulher que isso aconteceu.

Compartilhar

Lendas e Mitos Relacionados