ArabicChinese (Traditional)EnglishFrenchPortugueseSpanish
ArabicChinese (Traditional)EnglishFrenchPortugueseSpanish
ArabicChinese (Traditional)EnglishFrenchPortugueseSpanish
Het Wilhelmus
Países Baixos

/

Europa

Autor(a):

Adrianus Valeriu

“Wilhelmus van Nassouwe” geralmente conhecido apenas como: ”Het Wilhelmus” (“A William” ou “O Guilherme”) é o hino nacional dos Países Baixos, o mais antigo hino nacional em uso no mundo. Apesar de não ter sido reconhecido como hino nacional oficial do país até 1932, sempre foi popular entre parte da população neerlandesa e surgiu, em diferentes ocasiões ao longo da história do país, como hino nacional até adquirir seu status atual.

A composição é de Adrianus Valerius e a letra é de autoria desconhecida e foi escrita entre 1568 e 1572, em homenagem a Guilherme I, Príncipe de Orange (também conhecido como Guilherme de Nassau), durante a revolta neerlandesa contra os espanhóis, a Guerra dos 80 anos . O texto completo tem 15 estrofes. O hino é um acróstico, já que as primeiras letras de cada estrofe formam o nome “Willem van Nassov”.

Quando os Países Baixos se tornaram uma monarquia em 1815, a música não foi escolhida para ser o hino nacional porque estava ligada ao partido político que apoiava a casa de Orange-Nassau. Entretanto sua popularidade nunca diminuiu, e o povo a considerava como sendo o hino de verdade dos Países Baixos. Em 10 de maio de 1932 ela foi finalmente oficializada, substituindo a música Wien Neêrlands bloed door d’aderen vloeit, de Hendrik Tollens.

Tradução do Hino:

Não

Versão curta:
Em cerimônias formais, usualmente apenas a primeira estrofe é cantada. Às vezes a sexta estrofe é cantada também, junto com a primeira.
Esta é a primeira estrofe no original, usando a ortografia holandesa moderna:
Wilhelmus van Nassauwe
ben ik, van Duitsen bloed,
den vaderland getrouwe
blijf ik tot in den dood.
Een Prince van Oranje
ben ik, vrij onverveerd,
den Koning van Hispanje
heb ik altijd geëerd.
A sexta estrofe, que às vezes é cantada, também, é a que segue:
Mijn schild ende betrouwen
zijt Gij, o God mijn Heer
op U zo wil ik bouwen
Verlaat mij nimmermeer
Dat ik doch vroom mag blijven
uw dienaar t'aller stond
de tirannie verdrijven
die mij mijn hart doorwondt

Versão curta:
Em cerimônias formais, usualmente apenas a primeira estrofe é cantada. Às vezes a sexta estrofe é cantada também, junto com a primeira.
Esta é a primeira estrofe no original, usando a ortografia holandesa moderna:
Wilhelmus van Nassauwe
ben ik, van Duitsen bloed,
den vaderland getrouwe
blijf ik tot in den dood.
Een Prince van Oranje
ben ik, vrij onverveerd,
den Koning van Hispanje
heb ik altijd geëerd.
A sexta estrofe, que às vezes é cantada, também, é a que segue:
Mijn schild ende betrouwen
zijt Gij, o God mijn Heer
op U zo wil ik bouwen
Verlaat mij nimmermeer
Dat ik doch vroom mag blijven
uw dienaar t’aller stond
de tirannie verdrijven
die mij mijn hart doorwondt

Compartilhar